Gil do Vigor sofre ataque homofóbico de Conselheiro do Sport

As mensagens foram enviadas em um grupo que conta com a presença de torcedores e conselheiros, mas não faz parte dos oficiais do clubes.




Fooxicando, Reality Show

O ex-BBB Gil do Vigor, foi vítima de ataque homofóbico por um dos conselheiros do Sport, time do coração do pernambucano. O economista teve a oportunidade de conhecer a Ilha do Retiro, estádio do clube, onde recebeu uma homenagem do Sport e no gramado fez a famosa dancinha do “tchaki tchaki”.

Porém, o conselheiro Flávio Koury, durante conversa via WhastApp, gravou um áudio proliferando ataques homofóbicos a Gil. Os áudios foram vazados por outro conselheiro, Romero Albuquerque. Ele diz que irá solicitar a expulsão de Flávio Koury do quadro de sócios do clube.

As mensagens foram enviadas em um grupo que conta com a presença de torcedores e conselheiros, mas não faz parte dos oficiais do clubes.

“Se ele tivesse feito essa dancinha na casa dele ou no bordel, ou onde ele quisesse, eu não estava nem aí. Mas foi dentro da Ilha do Retiro, né rapaz. Isso é uma desmoralização. Isso é ausência de vergonha na cara. É isso que a gente está vivendo. Esses tempos novos, é isso. Não tem mais respeito. Filho não respeita pai, pai não respeita filho, não respeita irmão. Não tem amigo. É a depravação.”

Ao saber do fato, Gil se pronunciou nas redes sociais, alegando que mesmo forte, isso machuca.

https://twitter.com/gilnogueiraofc/status/1393273630851731461

O presidente do Sport, Milton Bivar, tambpem falou através das redes sociais:

“O Sport Club do Recife é de todos. Gil do Vigor é e será sempre um legítimo representante das cores do Sport. Um clube plural, do povo. A maior torcida do Norte/Nordeste. Não segregamos quem ama o Sport. O amor que une nossa torcida ao clube é incondicional. Obrigado Gil, por levar o nome do Sport pra todo o mundo. Pelo Sport Tudo!!! Milton Bivar/ Carlos Frederico de Melo Sport Club do Recife”

Flávio Koury, autor do ataque, diz que a conversa foi tirada de contexto:

“Não tem nada disso de homofobia. A conversa não era essa, eu só fui contra a história da dança. Na conversa eu coloco: não tenho nada contra homossexual. Não tem nada a ver uma coisa com a outra. Eu não tenho nada contra homossexual, só não gostei da atitude. Acho que isso não representa o Sport. Ele tirou do contexto e botou nas mídias, uma coisa absurda. Usei expressões fortes, mas porque era entre a gente a conversa, não era para vazar isso. Começaram a dizer coisa, eu respondi, ele pinçou a minha resposta.”

Homofobia é crime, com pena de um a três anos de prisão, além de multa. Caso seja por meios de comunicação ou redes sociais, a pena será de dois a cinco anos e multa.

Sobre Fernanda Alves

Fernanda Alves, tem 24 anos, é de Juazeiro do Norte e formada em Jornalismo pela Universidade Federal do Cariri (UFCA), com experiência na área desde 2015. Mulher preta, militante e amante do Jornalismo Esportivo.

Últimas

Assine nossa newsletter e receba nossas novidades por email

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível. Leia nossa política de privacidade.